Pedro Salvador – Pedro Salvador (Album)

12654559_1075865515807749_4443947832623519938_n


Eu conheci Pedro no Festival Maionese (AL) de 2012. De lá pra cá sempre soube que ele era um cara muito ativo na produção autoral de sua cidade. Integrando o trio Necro, agora o papo é diferente. Lançando seu primeiro solo, ele aposta numa estética que conversa com a esfera de sua banda principal. Abriu um portal e foi diretamente há 1973, e lá ele gravou todos os instrumentos debutando seu disco homônimo aqui na Crooked.

Pedro Salvador é um dos maiores músicos que a sua cidade tem, é multi-instrumentista e já participou de vários projetos na cena alagoana. O álbum que o jovem veterano está apresentando aqui hoje, foi inteiramente gravado por ele, sem precisar de apoio nenhum (haha).  Com nome homônimo possuem 15 belas faixas, algumas sendo como fragmentos, é o caso das 4 partes de Suíte Microscópica.

O primeiro registro está um misto de sons setentistas, como todos sabem, já há um tempo em que Pedro é levado por essa safra – a faixa Canção do Fim, que tem 9:49 é uma inspiração ao soul funk, tipo Funkadelic mesmo, mas tu pega um flashback do Tim Maia e depois Mutantes com aqueles vocais estilo Rita Lee e Arnaldo Baptista (haha), e isso é bom pra caral****. Temos a Canção da Lua, em que Pedro se apresentou no 1o Festival de Música Popular em Cantos de Alagoas em 2016 (tem no Youtube) que podemos até considerar um hit para o álbum – e finalizando esse ”chama ouvinte porque o troço é bão” (hahahaha), tem até um ”rocksteadyzinho” instrumental, a Bananeiras em Flor.

A produção também é assinada pelo mesmo em parceria com o Estúdio Concha Acústica, e a arte (linda) do disco foi assinada pela artista Julia Danese. Se você é daqueles como eu, que ama Mahavinishu Orquestra, Os Mutantes, O Terço, entre outros nomes proghead nessa vida, não hesite e dê o play sem culpa.

Nem só de Necro vive Pedro!

por Vinícius Dias e Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

Anúncios

Nonsense Lyrics – Golden Country Punk (EP)

1458302100742.jpg


Ele é canhoto, hiperativo, simples, amável, sensível, teimoso e tem um black power bem tratado – enfím, um fofo. Estamos falando do nosso lançamento da semana, o membro mais querido da Crooked, Gellyvan Fernandes – lançando seu pseudônimo, Nonsense Lyrics e seu primeiro trabalho, Golden Country Punk.

Você nunca ouviu falar desse homenzinho por aí (entendam a piada como for, hehe), vai vê porque Gelly nunca fez questão de se exibir para a sociedade, sempre alí – na dele. Ele odeia internet, odeia gente moderna; prefere ouvir bossa nova com amigos íntimos enquanto degusta uma vodka de 2ª.

O disco é um pequeno e virtuoso EP – as violas, contra-baixo, escaleta e guitarras foram executados pelo próprio, da sua maneira drunk – e as letras, sinceras e diretas. Seus vocais são desleixados e nada melódicos, e as canções lembrando horas o folk do Neutral Milk Hotel ou Bob Dylan – tirando a faixa Miopia Astigmatismo (como?!), com aquele groovezinho no baixo e uma guitarrinha esperta levando aquele funk do big Tim Maia.

Mário Alencar (Mario The Alencar; Sketchquiet) colaborou no registro, assumindo guitarra e gaita nas faixas My Own Funeral  e Lost Roads; Mário também produziu o EP.

A fotografia irada da capa é de Felipe Lemos, também chegado da galera e quase um mascote (hehe).

Nota final: Se você pensa que vai ouvir por aqui mais um daqueles ”playbas” do folk de MCZ querendo status para conquistar a mulherada, vai caindo fora! póis Nonsense Lyrics e seu Golden Country Punk é para os que apreciam a boa alma singela.

por: Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra: