Os melhores discos da Crooked de 2016 – 2017. Segundo os nossos colaborados (TOP 5)

23467318_731305936993449_1290393229861243529_o


MÁRIO ALENCAR:

Tempos Mal Vividos – Humbra (2016)

Softspoken – The Sorry Shop (2017)

Beatnik – Sebage (2017)

Brazilian Max – Os Ex-Fumantes (2017)

Marina Goes To Moon – Juna (2017)


CARLOS OTÁVIO VIANNA:

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

Abstrações de Você – Lzu (2016)

Voyage – Eric Iozzi (2016)

Antes Aqui Era Tudo Mato – Pacamã (2017)

Marina Goes To Moon – Juna (2017)


CLAUDIONOR GOMES:

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

Every Union Should Be A Lovely Union – Bad Rec Project (2017)

Oscilação – Bergamota (2017)

Antes Aqui Era Tudo Mato – Pacamã (2017)

Brejo – Mopho (2017)


VAL WAXMAN (MARCOS):

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

You Never Cared – Killing Surfers (2016)

Softspoken – The Sorry Shop (2017)

Great Diary Things – Mario The Alencar (2017)

Down And Out – Victor Barros (2017)


ALEXANDER MOREIRA:

Tempos Mal Vividos – Humbra (2016)

Música Para Comerciais, Curta-Metragens e Outras Coisas – Depressa Moço! (2016)

Brejo – Mopho (2017)

Antes Aqui Era Tudo Mato – Pacamã (2017)

Pedro Salvador – Pedro Salvador (2017)


SEBAGE:

You Never Cared – Killing Surfers (2016)

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

Saindo de Cena – Depressa Moço! (2017)

Brejo – Mopho (2017)

Brazilian Max – Os Ex-Fumantes (2017)


PAULO CÉSAR:

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

Brejo – Mopho (2017)

Pedro Salvador – Pedro Salvador (2017)

Beatnik – Sebage (2017)

Oscilação – Bergamota (2017)


GELLYVAN FERNANDES:

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

Casca – Eric Iozzi (2016)

You Never Cared – Killing Surfers (2016)

Oscilação – Bergamota (2017)

Great Diary Things – Mario The Alencar (2017)


LEONARDO OLIVEIRA:

Ainda Que De Ouro E Metais – Jude (2016)

Marina Goes To Moon – Juna (2017)

Down and Out – Victor Barros (2017)

Softposken – The Sorry Shop (2017)

Come To The Dust Nowhere – Sketchquiet (2017)


DESTAQUES:

Tempos Mal Vividos – Humbra (2016)

Ainda Que de Ouro e Metais – Jude (2016)

You Never Cared – Killing Surfers (2016)

Softspoken – The Sorry Shop (2017)

Beatnik – Sebage (2017)

Antes Aqui Era Tudo Mato – Pacamã (2017)

Brazilian Max – Os Ex-Fumantes (2017)

Marina Goes To Moon – Juna (2017)

Oscilação – Bergamota (2017)

Brejo – Mopho (2017)

Great Diary Things – Mario The Alencar (2017)

Pedro Salvador – Pedro Salvador (2017)

Down and Out – Victor Barros (2017)

Anúncios

Os Ex-Fumantes – Brazilian Max (EP)

capa.jpg


”Nossa que barulho bonito!” Essa é a frase que se incia o EP Brazilian Max da banda Os Ex-Fumantes, resume de forma bem humorada o som que você irá curtir agora, sim! Curtir!!!

A banda é formada  pelos paulistanos Lucas Mendes Gabriel (Guitarra e vocais) Guilherme Doratioto (Guitarra), Vinicius Almeida (Baixo), Eliel Simões (Bateria) e ainda contam com um trompetista, Wesley Bruce. Os Ex-Fumantes nos presenteia com um som carregado de guitarras que trabalham em sintonia com arranjos de voz bem bacanas.

O EP tem duas canções em inglês e duas em português, e uma capa muito legal que emula um anúncio de cigarro, ideia do próprio vocalista. Alguma destas referências está entre o quarteto, The Strokes, The Libertines, Mac Demarco. A faixa Babe, I Need You começa com vocal de apoio chamando atenção e as guitarras conduzem pulsantes a canção para o refrão, que explode com outras camadas de guitarras.

A segunda canção, Quiçá, tem belos ambientes de reverbs abrindo e um contrabaixo pulsante, pode ser considerada o hit da casa. San José tem um groove mais pesado que explode no “refrão” cantarolado com pratos da bateria agressivos em meio as guitarras, excelente!

A faixa que encerra o disco é Rich Kids, tem uma pegada tribal com a batida marcando forte o ritmo com os tons e o surdo dando um clima mais “experimental”, com ruídos que inundam a música enquanto a banda manda todos os “garotos almofadinhas se cuidarem” (hahaha).

O EP Brazilian Max é curtinho, bem produzido e marcante, dará altos repeats nos lugares. A produção foi feita pelo Lucas Mendes Gabriel no Estúdio Rosa. Well, o que essa galera quer afinal? Que você apenas ouça o som e saia de casa para se divertir em algum bar próximo. Aguardaremos ansiosos por um álbum completo.

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

The Crooked Friends Collective – Vol. 1 (Coletânea 1 ano de Crooked Tree Records)

cover


O tempo anda sem percebermos quando estamos em atividade, não? Melhor ainda quando fazemos algo com a própria alma.

No final de 2015, logo no natal, fui tendo uma ideia de poder ajudar um pessoal que eu observava de longe, bem distante; mas essa galera não era apenas uma galera comum, eram artistas, que andavam em seus próprios quartos, porões e até mesmo estúdios para criarem, criarem música. Essas pessoas vivem trancafiadas dias após dias para construírem algo que vem delas mesmas, com muito amor e carinho. Mas essas pessoas estavam acanhadas de mostrarem isso a uma rede social, ao mundo que os tem ao redor, foi daí que a Crooked Tree Records nasceu, junto com uns amigos que conheci a pouco tempo, e que tinham os mesmos caminhos.

Agora, o selo completa 1 ano de aniversário – com 23 discos no catálogo e 19 artistas. Esses talentos estão divididos pelo mundo: Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Alagoas, Goiânia e até mesmo a Espanha. Tivemos altos e baixos por aqui, mas sempre com o orgulho de fazer parte desta equipe que vem lutando pelo seu espaço, tendo ideias e mais ideias sem cessar.

Uma salva de palmas para todos que estão envolvidos a Crooked Tree, sem o apoio de vocês este sonho não se tornaria tão real – grande honra está ao lado de grandes artistas e bandas, aprendendo a cada dia uma imensidão diferente. Vocês são incríveis!

Mas parando com toda essa choramingueira! (haha) Temos aqui de presente para nossos ouvintes fies (rsrs) – uma coletânea com quase todos os artistas do selo, os que marcaram mais no ano passado e até então em janeiro. Um punhado de canções inéditas que foram gravadas justamente para isso, e outras que já foram lançadas em outras plataformas. Fiquem com os projeto solos do Depressa Moço!, Mario The Alencar, Nonsense Lyrics, Sebage, Wands (projeto solo do vocalista da banda Pormenores), Hesla (nova empreitada do artista Diaz, que em breve estará lançando disco por aqui) – também com os experimentalismos do Sketchquiet, Eric Iozzi, Botas Batidas, Lzu, dpsmkr – e as bandas Killing Surfers, Humbra, Fantasmas de Marte e The Modem. Mas antes de tudo! Vamos tirar mais um pouco a preguiça para lermos mais um pouco alguns depoimentos de alguns artistas, Leonardo Oliveira da Humbra, Carlos Otávio Vianna, Depressa Moço! e ah! Os videozinhos da bandas Jude Edson Codenis da The Modem, agradecendo-nos e dando os parabéns – ”rock n’rooooll hey! rock n’rooooool rock! rock n’rooool hey!”.

por Mário Alencar


Carlos Otávio Vianna (Depressa Moço!):

O ano de 2016 não foi fácil!!! O mundo e não só nosso país sofreram com crises econômicas e políticas. Muita coisa está mudando, o mundo toma conhecimento de diferentes
culturas, hábitos até então relegados a uma posição submissa. A diversidade é enorme, temos muita coisa diferente ao nosso alcance, ainda mais com as ferramentas tecnológicas que temos hoje em dia. Mas por mais estranho que pareça boa parte das pessoas não está
arriscando no novo, no diferente….o medo do novo sempre existiu, mas talvez preguiça…já que temos tanto a mão. Não queremos perder tempo!!!! Perdemos tanto tempo pensando nisso…

Em fevereiro de 2016 surgiu em Maceió, Alagoas, o selo Crooked Tree Records, projeto da cebeça do inquieto Mário Alencar. O selo queria divulgar artistas independentes de qualquer lugar do país, e abria um leque enorme de opções sonoras. Não importando se era gravação caseira ou profissional, se valia a  pena era lançado. ser era uma banda ou um homem banda (atenção meninas, esta faltando mulher- banda ou banda de meninas no pedaço!).

Rock em português da Pormenores, Fantasmas de Marte, Jude, Humbra, Primavera. Pop eletrônico do The Modem, MASM, também musica minimalista experimental de DPSMKR, Sketchquiet, Gimu, Botas Batidas . Musica passional de Nonsense Lyrics e Mario the Alencar. Paisagens sonoras criadas por Eric Iozzi e LZU, sons eletrônicos e acústicos de Depressa moço!, DIAZ e o shoegaze da Killing Surfers. Uma diversidade que fez bem a todos, onde se criaram novas amizades e união em torno da música. Essa crença na diversidade acho que favoreceu a vários artistas do selo estarem presentes em listas de melhores do ano, as vezes mais de um artista numa mesma lista e junto com ˜medalhões” da industria
fonográfica e artistas com mais exposição na grande mídia. Fiquei feliz em fazer parte desse combo.

Agora, para celebrar um ano de existência, a Crooked Tree Records vai lançar uma coletânea de seus artistas. Ela representa bem o que falei anteriormente, um caleidoscópio sonoro (se isso é possível, he he) onde cada artista contribuiu com uma musica, na maioria inédita em seus trabalhos. Ouça, arrisque…se você não gostar,  tudo bem, saberá que existe muita coisa diferente para conhecer. O mundo precisa disso!!!


Leonardo Oliveira (Humbra):

O ano de 2016 começava para nós de forma despretensiosa. Estávamos montando novo repertório e decidindo qual direção daríamos à banda. Foi aí que tivemos a ideia de gravar um conjunto de 5 músicas de diferentes fases de nossas vidas, o Tempos Mal Vividos.

E foi assim, experimentando o passado,  testando antigos arranjos há muito empoeirados nos meandros de nossas mentes, que este disquinho despretensioso rendeu para nós da Humbra a oportunidade de entrar pra Crooked Tree Records e ampliar sobremaneira as possibilidades da  banda como um todo. O que mais nos chamou atenção na Crooked foi a diversidade e a capacidade de reunir de forma uníssona tanta gente diferente; uma verdadeira lente num mar de informação que nos fornece um belo recorte da cena que se forma no país.


Edson Codenis (The Modem):


Reuel Albuquerque e Alexander Campos (Jude):


Ouçam agora na íntegra:

Sebage – Beatnik (Album)

15036185_10202471842914724_4070650143372324193_n


2016 foi um ano de conhecimento para a Crooked, tivemos bons e péssimos resultados, mas sem baixar a cabeça! Com muito amor e dedicação com o que fazemos por aqui, continuamos sem olhar para trás. A terra virou mais uma página, e em 2017 conquistaremos o nosso lugar pois, lutaremos até o fim para conseguir o que realmente queremos.

Sem mais delongas, apresentamos a vocês o nosso primeiro lançamento do ano! Um grande artista da terra das Alagoas, aqui, há anos de estrada – um veterano. Sebage é daqueles compositores que entendem a sua própria linguagem, proporcionando à qualquer ouvinte um sentimento de bohemia, nostalgia ou a saudade de um amor intenso. ”Since” 1984 nas estradas, ele começou com a banda Caçoa Mas Num Manga, onde havia artistas importantes da cena alagoana: Júnior Almeida,  Félix Baigon, Zé Barros e Gal Monteiro, como Sebage me passou, eles misturavam um lance new wave com caeté. Depois, vieram os seus projetos de pós-punk, a Sangue de Cristo, formada em Maceió e a Jesuítas, formada em São Paulo, quando o cara resolveu se mandar para lá! E por fim, já nos anos 2000, montou a Trindade antes de fazer a carreira solo.

O disco Beatnik é praticamente uma compilação de quase todas as faixas que Sebage gravou durante toda a sua vida, desde 2001 quando morava em São Paulo até então aqui, que agora vive em Maceió – um álbum completo, sem deixar a desejar para quem curte rock, mas é rock mesmo do que eu estou falando, sem nada piegas!

São no total 12 faixas, algumas em português e outras em inglês misturando o que há de mais vivo na safra do glam rock ou até mesmo o pós-punk e a era do proto, como MC5, Lou Reed, Iggy Pop, The Smiths, David Bowie e assim por diante que complemente esta linha destruidora.

Sebage é um dos ícones importantes da cena underground alagoana, muitos o conhecem por ter representado essa sonoridade para os nordestinos, fez versões de músicas dos Smiths como a Bigmouth Strikes Again (só procurar no Youtube) e teve uma banda cover de David Bowie enquanto estava em São Paulo, e aí já podemos entender quais são suas maiores influências já citadas aqui. Há diversas participações no disco, o cara convidou milhares de músicos para tocar suas músicas, que levaria um texto maior ainda para escrever quem seriam eles – você terá que ler as informações no Bandcamp se estiver curioso (hehe).

Escutem Beatnik no carro, na piscina, na faxina da casa porque o trabalho é para se ouvir em qualquer ambiente, em qualquer estado. A arte da capa foi feita pelo designer/ilustrador, Mário Alencar (Killing Surfers, Sketchquiet, Mario The Alencar) – vai  num bar mais próximo de sua casa e pede pro garçom por essa jóia pra rolar, só toma cuidado pra não beber demais.

por Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

The Modem – Hard Pop (EP)

13510579_997520373664423_2142009682_n
foto por The Modem

Ouvidos abertos para a novidade que acaba de aportar aqui na Crooked! É que o The Modem acaba de lançar pela gente o seu EP Hard Pop.

O projeto, encabeçado pelo visionário paulista Edson Codenis, é uma surpresa enorme quando descobrimos o cara na rede mundial de computadores. Uma junção de baladas retrocompatíveis com uma sonoridade 8-bit que nos leva a um tipo de dimensão oitentista com instrumentos do século XXI faz a nossa cabeça e dá vontade de sair dançando pela cidade enquanto cantamos seus refrões marcantes.

A balada retrô de The Modem é recomendado para pistas de seres de todas as idades, pra carros no meio da estrada noturna, no fone de ouvido quando o clima é de curtição ou quando você tem aquele coração partido precisando de um ”up” pra investir no amor de novo. Cada faixa tem sua peculiaridade, sem se desgrudar da sua originalidade sonora, o que faz cada canção se tornar um hit underground suave, sincero, pop bem dosado e inteligente nos arranjos e nas letras – bote sua ficha nessa jukebox, escolha sua faixa preferida e cante sem parar. Esse é The Modem! Eis a playlist:

Totem é uma canção sobre a “diversidade da mudança” que nos possa fazer ser lembrados pelo nome, enquanto na praça tem um totem que fala sempre dos feitos dos nossos heróis. É um som que leva com sabedoria – musical e filosófica – as reflexões sobre o que estamos fazendo de nossas vidas. Pare tudo e veja se não é verdade!

Em A Minha Proposta, o novo dilema é uma paixão que brota de uma relação juvenil contrariada pelo pai da moça. Uma daquelas canções que todo mundo vive em algum momento da vida captada com o que podemos chamar de descrição exata do real. Atente pra essa dor de cotovelo cantada sobre o jogo de notas do refrão! Que música!

Viciada no Asfalto nasceu para brilhar na velocidade da luz. Como a música supõe, “no seu carro, voa baixo, no seu sangue, a velocidade flui, ela corre entre os prédios”… Não seria uma metalinguagem sobre o alcance do próprio som? A canção tem um apelo dançante forte, sem ser esses pops enlatados. A boa produção vocal reverbera para além da faixa. Quando fechamos os olhos escutando a canção, só conseguimos imaginar as luzes da noite em uma via principal em uma moto ou um carango potente! Faça o teste aí!

Na Hora Errada parece aquelas tretas de relacionamento, quando nos é oferecido um paraíso e tudo o que nos dão são as  próprias e previsíveis imperfeições do ser, o tipo de gambiarra remendada para ver se dá pra continuar levando com a barriga. Acontece. Recomendado para todos os momentos pré, pós e durante o discutir de uma relação.

Se a canção anterior é uma forma de se enxergar e lidar com a dor da frustração, em Espelho temos um verdadeiro banho de água quente em um relacionamento, do tipo “Owwwwwnnnn” de fofura, fazendo pensar que tudo parece perfeito. Ouça o verso “A nossa sintonia ultrapassa os limites da compreensão / Não existe mais nada importante pra mim / Do que ter você” pra ver se você não sente seu coração aquecido!

Em Você vai se perder, temos a finalização das inéditas do EP, o adeus ou um até logo, com uma faixa de despedida em um refrão que repetidamente lembra do preço dos erros cometidos: “Eu vou embora sem olhar pra trás / E quando você chegar já será tarde / Não adianta vir correndo atrás / Você vai se perder.”

Por fim, uma faixa bonus: Uma versão de Viciada no Asfalto, talvez a grande música, pelo DJ LWolf. A capa colorida e geométrica do EP foi feita pelo artista gráfico Mário Alencar, que tem uma leve referência as artes dos discos do New Order .

Depois de escutar cada faixa é que descobrimos porque  Hard Pop é mesmo o nome ideal para esse trabalho: é dançante, é foda, é bem produzido, é um hit atrás do outro, sobre coisas da vida que são difíceis de lidar. Ainda bem que o temos como trilha sonora de cada grande momento de relacionamentos de nossas vidas!

por Nô Gomes


Ouçam agora na íntegra:

Eric Iozzi – Voyage (Album)

11226036_1010270908986091_3254930562804310053_o
foto por Eric Iozzi

Tão próximo de seu primeiro trabalho quanto a lua da terra – a lua exerce sua função sobre a terra. Se algo saiu do Casca, o seu álbum anterior foi o Voyage, não, não desse modo, e sim como uma joia espontânea e sem cicatrizes de sua formação ou de algo que venha antes dela; nua e crua.

Eric Iozzi se modela como água entra as rochas – do que eu estou falando? Estou falando de um excelente disco que vocês vão ouvir. Eu não sei como, não sei o porque, mas ele é o que é. Este é aquele tipo de material que se fosse lançado em 1976 seria um clássico, e se você mostrar hoje ao seu amigo mais próximo, ele não acreditará que é deste século.

Horas que é nostálgico, horas que é desesperador; o disco tem fases aleatórias e que o irá levar a um estado de transe, mas que há uma poesia no meio disso tudo – um belo sentido.

Místico como Kate Bush, realista como Syd Barrett e depressivo como Nick Drake; entre as paredes de concretos e os aços da cidade, vaga um rapaz chamado Eric Iozzi – que criou, produziu e gerou Voyage.

Ouçam e embarquem neste balão mágico onde você terá que tomar muito ácido para chegar ao destino.

por Gellyvan Fernandes


Ouçam agora na íntegra:

Eric Iozzi – Casca (Album)

10848615_908881092458407_7709359238131154522_o
foto por Eric Iozzi

Olha noises aqui again (!!!)

Estamos tendo bons resultados com os últimos discos lançados, como foi o folk-punk de botequim do Golden Country Punk, de Nonsense Lyrics; e agora, chegamos a nossa 6ª revelação (sem onda) – é Eric Iozzi, que vem de São Paulo para mostrar-nos seu som progressivo, psicodélico, kraut, folk, rock, enfím – sigam minhas mãos!

Eric já vem lançando altas paradas independentes desde 2015, é o que dá pra perceber em seu próprio Bandcamp: https://ericiozzi.bandcamp.com – tendo uma extensa discografia apesar de pouco tempo de carreira. Acreditamos que seu disco de lançamento conosco é um de seus mais trabalhados (???)

O álbum Casca é majestoso, conceituoso e um tanto belíssimo – e uma provável arte musical para os ouvidos que entendem esta dimensão. Ele contém apenas 3 faixas, mas bem vastas sem cansar os aspirantes do gênero.

Nós da  Crooked, apostamos muito nos homens-orquestras (cês já perceberam isso, haha) e foi Iozzi quem gravou, produziu , criou as faixas, tocou flauta, bateria, guitarra, violão, baixo, pandeirola, gaita, teclados e ufa! – até a capa também.

As influências por aqui são bem perceptíveis, de Brian Eno à King Crimson ou alguma outra banda bem ensaiada dos anos 70 de rock progressivo.

Apreciem bem este lançamento, o trabalho ta impecável! até +++

por Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra: