Pedro Salvador – Pedro Salvador (Album)

12654559_1075865515807749_4443947832623519938_n


Eu conheci Pedro no Festival Maionese (AL) de 2012. De lá pra cá sempre soube que ele era um cara muito ativo na produção autoral de sua cidade. Integrando o trio Necro, agora o papo é diferente. Lançando seu primeiro solo, ele aposta numa estética que conversa com a esfera de sua banda principal. Abriu um portal e foi diretamente há 1973, e lá ele gravou todos os instrumentos debutando seu disco homônimo aqui na Crooked.

Pedro Salvador é um dos maiores músicos que a sua cidade tem, é multi-instrumentista e já participou de vários projetos na cena alagoana. O álbum que o jovem veterano está apresentando aqui hoje, foi inteiramente gravado por ele, sem precisar de apoio nenhum (haha).  Com nome homônimo possuem 15 belas faixas, algumas sendo como fragmentos, é o caso das 4 partes de Suíte Microscópica.

O primeiro registro está um misto de sons setentistas, como todos sabem, já há um tempo em que Pedro é levado por essa safra – a faixa Canção do Fim, que tem 9:49 é uma inspiração ao soul funk, tipo Funkadelic mesmo, mas tu pega um flashback do Tim Maia e depois Mutantes com aqueles vocais estilo Rita Lee e Arnaldo Baptista (haha), e isso é bom pra caral****. Temos a Canção da Lua, em que Pedro se apresentou no 1o Festival de Música Popular em Cantos de Alagoas em 2016 (tem no Youtube) que podemos até considerar um hit para o álbum – e finalizando esse ”chama ouvinte porque o troço é bão” (hahahaha), tem até um ”rocksteadyzinho” instrumental, a Bananeiras em Flor.

A produção também é assinada pelo mesmo em parceria com o Estúdio Concha Acústica, e a arte (linda) do disco foi assinada pela artista Julia Danese. Se você é daqueles como eu, que ama Mahavinishu Orquestra, Os Mutantes, O Terço, entre outros nomes proghead nessa vida, não hesite e dê o play sem culpa.

Nem só de Necro vive Pedro!

por Vinícius Dias e Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

Anúncios

Gimu – Cell Signalling Pathways (Album)

286467_231810900198317_7741596_o


Carnaval tá rolando e vocês ainda ouvindo a coletânea?! Esperamos que sim (hehe). Mas bem, o que irão ouvir hoje em pleno dia de festas não são marchinhas ou algo do parecido (…) Se estás a procura de coisas animadas para levantar-se da cama e ir às ruas, é melhor encontrar outro lugar (haha).

Gilmar Monte é Gimu, um dos artistas mais ativos que teremos aqui na Crooked agora. Do Espírito Santo, já lançou mais de 20 trabalhos através de vários selos estrangeiros, a maioria britânicos, sendo físicos e virtuais. O som é bem peculiar a alguns artistas que já estão integrados aqui, como Sketchquiet, DPSMKR, Lzu; só que há mais densidade, Gimu cairia bem para uma trilha-sonora de filmes de horror e ficção científica, tipo 2001: Uma Odisseia no Espaço, Interstellar, O Iluminado, O Exorcista.

Gimu tem muitos tempos de carreira, desde os anos 90 já teve bandas e outro projetos paralelos, uma das mais legais eram o grupo Primitive Painters, onde cantava e assumia as guitarras – que tinham uma sonoridade parecida com os Jesus And Mary Chain, uma das minhas bandas de cabeceira (hehe).

O disco de estréia Cell Signalling Pathways que o capixaba está lançando hoje, contém 2 faixas bem extensas – a primeira Cell Signalling Pathways que leva ao nome do álbum tem aproximadamente 12 minutos e Circularly Polarized Light Detection 25 minutos. Ao ouvir Cell Signalling Pathways, para quem segue essa linha de ambient music e drone music, vão sentir uma referência de artistas como Biosphere, Global Communication, William Basinski, Carbon Based Lifeforms e etc e etc!

Gilmar construiu tudo por aqui, da arte da capa à produção – ele usa contra-baixo e violões mas com certeza tu não irá achá-los, porque há algo por trás de programações e mais programações de computador, fazendo várias paredes de efeitos sonoros incríveis – e é isso que se torna o Gimu original.

É um disco para se ouvir deitado, tentar esvaziar a mente, entrar em sintonia com os elementos que vão crescendo a cada minuto, sério! Você sentirá uma experiência única.

Não deixem de ouvir os outros trabalhos que ele lançou por outros selos, é formidável e ao mesmo tempo assustador sua imensa discografia – a cada disco é um conhecimento novo: www.gimu.bandcamp.com. É um prazer enorme ter Gimu em nosso time, seja bem-vindo à Crooked Tree Records!

por Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

Eric Iozzi – Casca (Album)

10848615_908881092458407_7709359238131154522_o


Olha noises aqui again (!!!)

Estamos tendo bons resultados com os últimos discos lançados, como foi o folk-punk de botequim do Golden Country Punk, de Nonsense Lyrics; e agora, chegamos a nossa 6ª revelação (sem onda) – é Eric Iozzi, que vem de São Paulo para mostrar-nos seu som progressivo, psicodélico, kraut, folk, rock, enfím – sigam minhas mãos!

Eric já vem lançando altas paradas independentes desde 2015, é o que dá pra perceber em seu próprio Bandcamp: https://ericiozzi.bandcamp.com – tendo uma extensa discografia apesar de pouco tempo de carreira. Acreditamos que seu disco de lançamento conosco é um de seus mais trabalhados (???)

O álbum Casca é majestoso, conceituoso e um tanto belíssimo – e uma provável arte musical para os ouvidos que entendem esta dimensão. Ele contém apenas 3 faixas, mas bem vastas sem cansar os aspirantes do gênero.

Nós da  Crooked, apostamos muito nos homens-orquestras (cês já perceberam isso, haha) e foi Iozzi quem gravou, produziu , criou as faixas, tocou flauta, bateria, guitarra, violão, baixo, pandeirola, gaita, teclados e ufa! – até a capa também.

As influências por aqui são bem perceptíveis, de Brian Eno à King Crimson ou alguma outra banda bem ensaiada dos anos 70 de rock progressivo.

Apreciem bem este lançamento, o trabalho ta impecável! até +++

por: Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra: