The Sorry Shop – Softspoken (Album)

20623925_10155518180342999_570754397_n


Acaba de desembarcar por aqui o Softspoken, lançamento deste ano da Sorry Shop pela Crooked Tree Records. O álbum tem a missão de suceder o elogiado Mnemonic Syncretism, de 2013. Sons oníricos e cativantes são a marca deste álbum, que mostra a habilidade da banda em produzir uma espécie de psicodelia shoegaze, se é que se pode dizer assim.

Em Softspoken, camadas de guitarras e vocais soterrados produzem uma poderosa combinação instrumental e poética, a qual permeia por todas as canções. As letras são bem interessantes e ao que tudo indica, no conjunto da obra, sugerem o fluxo de uma história, ou uma viagem onírica, como já dito antes – se não foi proposital, o resultado ficou genial. Até a 5ª faixa, Lost in Between, somos convidados a mergulhar num sonho distorcido, etéreo, que de certa forma traduz-se no refrão ”Again / Lost in between”. A 6º canção, que dá nome ao disco, mais curta e suave, sugere uma transição “Ao lado de lá” ao finalizar com a emblemática frase: “I have a little secret / no one knows”. A partir desse ponto as musicas falam de segredos e imagens oníricas ainda mais etéreos. Destaque para Queen of the North e Keepsake, que reforçam essa ideia de imersão e segredos. O disco termina com um convite e uma constatação “Come out to play / Nowhere safe”.

É notório as referências da banda que vai do dream pop do Slowdive ao shoegaze do My Bloody Valentine, mas The Sorry Shop tem um caminho único para as suas canções cheias de originalidade – formada por Marcos Alaniz  (Vocais, guitarra e percussão), Mônica Reguffe (Contrabaixo e vocais), Régis Garcia (Guitarra), Kelvin Tomaz (Guitarra e vocais) e Eduardo Custódio (Bateria). A arte da capa ficou por conta de Meire Todão.

Dentro da proposta da banda o álbum é muito  bem produzido e teve um bom trabalho de mixagem e masterização, graças a própria Sorry Shop, que deixou as músicas fáceis de se ouvir. Quando apreciado com cuidado, a experiência é ainda melhor. A cada compasso um detalhe, uma dica do que está por vir – pode também não ter sido intencional, mas, como nos sonhos, Softspoken acaba sem nos avisar. Na melhor parte, incrível!

O álbum também está saindo hoje pelo selo dos queridos Lovely Noise Records.

por Leonardo Oliveira


Ouçam agora na íntegra:

Bad Rec Project – Every Union Should Be A Lovely Union (Album)

 

19490215_10156934484068084_1949975369_o


Vamos dar boas vindas ao artista Jorg/Caíque ou como vocês preferirem chamá-lo carinhosamente, lançando o seu mais novo disco com título envolventemente delicioso (haha), Every Union Should Be A Lovely Union.

Bad Rec Project não é um de seus primeiros projetos, conheço Caíque desde a época das bandas Nicotine, Dad Fucked And Mad Skunks, Jorg and The Cowboy Killers e sim, o rapaz não se cansa nunca! Ultimamente, Caíque toca guitarra na Ximbra e também é frontman da Baztian, duas bandas que são importantíssimas para o selo Crooked e cá está ele agora como o Bad Rec Project.

O álbum contém 9 faixas mas apenas com 20 minutos de duração mas olha, eu repeti o disco mais de trilhões de vezes, singelo e adorável (como adoro esse duo de palavras, hehe) – guitarras distorcidas como serra elétricas low-fis (???), vocais rasgados ou em corais, efeitos de reverse em algum instrumento, rola até espremedor de laranja, lixa de parede, desodorante, um cão fofo latindo e aquele som que parece um besouro voando, o xilofone, muito lo-fi, não?!

Percebe-se bem o que o Caíque curte ouvir durante o seu dia-a-dia para compor a Bad Rec Project, acho que vai de Guided By Voices à Pedro The Lion e com certeza muito mais. O ”projeto mal gravado” de Caíque nasceu em 2009 com o EP Leftovers e assim depois lançando dois álbuns, e Every Union Should Be A Lovely Union é o terceiro que a Crooked agarra. O belo desenho frenético da capa de Every Union foi feito pelo próprio, que me fez recordar os desenhos do gênio doentinho Daniel Johnston, em que a música também não se escapa dessa (hehe).

Bad Rec é música para jovens adultos que querem apenas se divertir com os amigos e realizar sonhos juntos mas espera aí, também podemos contemplar o fim de algum relacionamento ou passar a tarde olhando um álbum de família e observar/pensar o quanto você envelheceu mas não perdeu a alma de garotão.

O lo-fi é um termo bastante amado aqui na Crooked Tree, iremos lutar contra o preconceito que ronda isso até agora (hahaha) – a ”música de quarto” reina em nossos berços e não iremos te rejeitar, sem nojinho. Um beijo no pescoço e boa audição.

por Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

 

Mario The Alencar – Great Diary Things (Album)

1467522752147


Seu histórico como Mario The Alencar (uma de muitas de suas personificações) mostra um trabalho calcado no folk com ”insights guitarrísticos”, tudo num clima lo-fi, termo que é bagunçado, eu admito, onde a gravação caseira faz questão de mostrar que é feita em casa. Seu novo trabalho vai além, muito além – amadurecido como produtor e compositor ele construiu para mim, sua melhor cria.

Influências de Eliott Smith, Pedro The Lion, Daniel Johnston – Mário tem seu jeito de cantar um pouco desafinado/desleixado com um quê de Stephen Malkmus e Sufjan Stevens que são perceptíveis nesse álbum; disse perceptíveis, não copiados. O cara é ”full noventista” nas suas referências na maioria de seus projetos, mas principalmente como Mario The Alencar, assim também como sua banda Killing Surfers. Desde que aprendeu a lidar com programações de bateria sua evolução é gritante, suas guitarras ora levemente distorcidas ora carregadas de chorus, flangers, delays que lembram outros trabalhos seus como o Sketchquiet.

Amigos, o cara criou seu estilo e isso é um diferencial. Com o auxilio de Reuel Albuquerque guitarrista da banda Jude, colocou de forma sensacional metais e sopros sampleados em algumas faixas, a diversidade do disco atingiu um patamar maior ainda, às vezes lembrando o trabalho solo de Neil Halstead, vocalista do Slowdive/Mojave 3 e o já citado Sufjan Stevens. O disco é produzido pelo próprio Alencar, ele gravou as guitarras, contrabaixo, vocais, baterias e as letras são de sua total autoria.

Destaque para as belíssimas faixas BlanketsPale CloudsSummer’s Day e Longing. Em Breakfast Junkie e Feeling So Blue ele brinca de Pavement com um tom debochado/brincalhão. A música Hard Country que leva a um country mais alternativo com guitarras dissonantes também merece esse destaque. 

Uma coisa que observo, esse rapaz também é artista visual e designer gráfico, e o som de seus discos se relacionam com as capas, ora com ilustrações próprias ou com fotos ou montagens. Se a capa é mais sombria seu som será mais ”dark” (haha), se o desenho é mais singelo seu som será mais enxuto e nesse álbum, ele fez uma capa mais colorida, com pequenos detalhes que merecem um olhar mais atento e coincidentemente esse é seu disco mais virtuoso e diversificado até agora. Vai agradar quem curte os referidos artistas – é um som indie (no clichê mesmo), mas é de primeira.

Embarquem nessa viagem deste artista que não tem medo ou vergonha de amadurecer.

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Juna – Marina Goes To Moon (EP)

IMG-20170218-WA0000


Inspirador. Foi a palavra que me veio na primeira audição de Marina Goes to Moon, EP do duo gaúcho, Juna, que acaba de sair pela Crooked Tree Records. As cinco músicas, gravadas no verão deste ano em São Leopoldo, RS, são bem produzidas e encadeadas de uma maneira agradável, provocando (talvez de forma intencional) essa sensação de imersão, onde a cada faixa um aspecto novo é colocado, em doses homeopáticas, para o ouvinte.

A banda é formada por Victória Appollo (guitarra, violões, teclados e vocais) e Thomas Almeida (bateria, guitarra, contra-baixo e vocais). Para a gravação houve ainda as participações de Daniel Rosemberg e Clandio De Bem.

Prologue, a primeira música do EP, dá o tom do que virá. Música cativante e acompanhada do belo jogo de vozes cheias de personalidade feito por Victória Appollo e Thomas Almeida.

Marina Goes to Moon, faixa título, traz um belo refrão capaz de grudar na sua mente durante o dia inteiro (acredite rs). Há um quê de pop rock, mas delicioso de se ouvir no refrão “I don’t want to be be be be be yours anymore”. O solo de guitarra demonstra a capacidade da banda em unir arranjos de fácil degustação, com técnica elaborada.

Em Aniram é possível perceber o cuidadoso trabalho de mixagem, que produziu uma atmosfera sonora única. Digno de nota são as camadas de guitarras cheias de delay, as quais ressoam de um lado a outro em excelentes divisões que preenchem os espaços na medida certa, sem soar exagerado ou fora de propósito.

Drop the Satellites dá continuidade e liga ao EP e surpreende com outra faceta da banda. Nesta faixa a dupla investe em uma canção com pegada mais pesada, no entanto, sem perder a característica psicodélica das guitarras. A mudança de andamento (e clima) na metade final da música é outra boa sacada.

O EP fecha com a faixa Reprise/Two times, a qual remete, nos minutos iniciais, a uma versão mais lenta de prologue e termina com uma balada lo-fi voz e violão.

É possível observar muitas influências que delineiam o som da Juna que vão desde o space rock, new wave e progressivo até o post-punk. De maneira geral o EP é muito bem produzido, tem conceito bem amarrado e desperta curiosidade sobre o que mais vem por aí.

A capa, de Maria Bitencourt, possivelmente inspirada num dos primeiros filmes da história, o La Voyage Dans La Lune é outro ponto forte. Tanto no filme, quanto no EP há um aspecto de busca e de descobrimento que transcende à época em que foram concebidos. Outra banda que bebeu desta mesma fonte foi o Smashing Punpkins em Tonight, Tonight, que é um clássico para dizer o mínimo. Não sei dizer se Marina Goes to Moon será um clássico tal qual as referências que usou, mas com certeza já nasce grande e bem promissor. No mínimo a arte consegue imprimir não apenas o conceito do disco em si, como também o da banda como um todo.

O ouvinte receberá um singelo convite para além do mundo da lua, mas sim para o mundo de Juna. Boa viagem!

por Leonardo Oliveira


Ouçam agora na íntegra:

Killing Surfers – You Never Cared (EP)

8


Para noises, não há coisa mais bacana do que juntar amigos e fazer uma banda que brinque com os sons que mais gostamos – a diversão e alegria desses momentos não tem preço.

Nesse contexto, surge a banda que tem chamado atenção de quem curte um som indie, a Killing Surfers; isso mesmo, uma brincadeira que com certeza levará a um caminho sério (se não ja está…); e hoje, eles lançam o primeiro trabalho que dará a sua estréia, o EP You Never Cared.

Fundada em Maceió, Alagoas, pelo vocalista inquieto Mário Alencar (Sketchquiet; Mario The Alencar), mestre bigodon Wilson Victor, ambos responsáveis pelas paredes de guitarras distorcidas e sensacionais que permeiam o disco; e Gellyvan Fernandes (Nonsense Lyrics), querida e carismática figura alagoana, no seu contra-baixo pós-punk à la Kim Gordon.

Killing Surfers é rock, que mergulha rock na vertente shoegaze e dream pop, onde guitarras ora furiosas se misturam com passagens mais serenas. A voz amargurada de Mário sussurra alguma coisa em nossos ouvidos – nossa! Parece triste, mas não! A rapaziada não deixa a peteca cair nunca.

As influências… Os caras conhecem muitas coisas, e misturam sem piedade ou preconceito, mas o som sai naturalmente sem forçar a barra.

Vamos destacar todas as faixas desse disco, sim! porque não? I Wanna Sleep e Medications são dois embriões que parecem ter saído do trio mais barulhento de Nova Iorque desde o Sonic Youth, o A Place To Bury Strangers. Pillow Face tem uma intro suave que mergulha depois em seu ”white noise”, assim como She’s Like Heaven, bebem de grandes bandas shoegaze como My Bloody Valentine e The Jesus and Mary Chain – a delicada Sunrise, remete o clima etéreo do Cocteau TwinsSlowdive e Galaxie 500. E por fim o hit, Another Horizon, que lembra… Killing Surfers! É isso, a mistura que pode lembrar alguma banda mas tem sabor próprio.

A produção ficou encarregada pelo vocalista/guitarrista da banda, Mário Alencar, que com muito suor também fez a arte da capa de You Never Cared.

Acompanho esse caras no selo desde janeiro desse ano, e vejo como transbordam energias positivas quando falam de música ou quando fazem música; isso serve de lição de vida para mim, não perder o amor por isto mesmo que te traga apenas… Felicidade!

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Mario The Alencar – Addicted Lovers (Album)

11011676_1036996649674216_437604105475725178_o


O forno não pára! E com uma cereja no bolo sai o nosso Addicted Lovers. É, pessoal – para complementar e não parar a cozinha da Crooked, vem o 7º – Como diria Júpiter Maçã: O 7 é um número místico. Depois do excelente resultado do trabalho de Eric Iozzi, a borboleta ou o bicho que saiu do Casca, seu álbum recentemente lançado – trouxemos agora mais um homem-orquestra, sim, mais um.

Falamos de Mário Alencar, que desde 2009 está na ativa como Mario the Alencar; e hoje, ele lança o seu 12º registro deste primeiro projeto de quarto, um álbum aéreo e firme.

Usando quase o seu próprio nome de nascimento (haha), ele nos leva de onde nunca deveríamos ter saído – a simplicidade e viajem de Addicted Lovers é de arrepiar e doer a alma. Esta joia cuspida de uma ostra te levará a caras muito fodas – Nick Drake, Jeff Buckley, Elliott Smith e até mesmo, as guitarras distorcidas com riffs tortos e dissonantes de bandas como My Bloody Valentine e Sonic Youth.

Eu poderia ficar horas e horas expressando meus sentimentos pelo novo álbum de Mário – eu quero que você ouça, eu quero que sinta o que eu senti ou melhor, sinta o que conseguir.

Alencar como sempre gravou e produziu – aqui ele canta, diferente do seu mais novo projeto paralelo, Sketchquiet. Ele executa uma variedade de instrumentos – guitarras, violão de aço, contra-baixo, programações e  gaita. O lindo desenho da capa é feita pelo próprio, que também é ilustrador e designer.

Mário Alencar é um membro importante no cenário underground alagoano – e só ver isso quem quer!

por: Gellyvan Fernandes


Ouçam agora na íntegra: