Depressa Moço! – Saindo de Cena (Album)

IMG_20170509_103603


Carlos Otávio Vianna, a mente carioca por trás do projeto Depressa Moço!, é um artista singular. Tem a capacidade sem precedentes de reunir tendencias das mais variadas e manter um trabalho coeso e criativo. A sua visão orgânica da manipulação de timbres eletrônicos eleva seus trabalhos a um outro nível de construção, onde o clima ”noir” reina.

O próprio Carlos diz ser influenciado por artistas experimentais, agregando beats eletrônicos clássicos como o drum’n bass. Nessa profusão de elementos, surgem vozes recitando versos e samples improváveis, dando um caráter surreal as composições.

Saindo de Cena já é o terceiro álbum do artista no selo, Depressa Moço! foram um dos primeiros a aparecer no catálogo da Crooked, quase um clássico e muito querido pela galera da ”árvore torta” (haha), também é um dos idealizadores do selo da sede do Rio de Janeiro.

O álbum cheio funciona muito bem como música incidental, faixas como O Método são uma crônica urbana narrada – é uma visão sombria característica da eletrônica, compartilhada por bandas pop como o Depeche Mode, New Order, Kraftwerk e até a leva do trip-hop dos anos 90. Também não podemos esquecer de que Carlos adora deixar seu set misturado, Depressa Moço! não vive só de sintetizadores mas também adora um folk, a bela Sonic Fruits é uma delas.

O álbum tem três participações, na faixa Entortando está o nosso artista de São Paulo Eric Iozzi, empunhando teclados e contrabaixo, a faixa Lembrança já é daqui de nossa terra, Sketchquietcomo sempre fazendo os riffs de guitarras e por fim, também de nosso território e assumindo as cinco cordas, Claúdio Teófilo, em Eita Loucura, Vou Na Fé! 

O Depressa Moço! não constrói seus discos baseada numa ideia preconcebida e as mudanças de rumo tornam as canções imprevisíveis. Tem espaço para guitarras, melodias melancólicas e samples de crianças falando e jazz. Sobre o clima peculiar, Carlos comenta: “O artista que realmente me inspirou a fazer esse tipo de som foi o DJ Shadow com o disco Entroducing…“.

Saindo de Cena é para aqueles que acreditam que ainda há uma volta para tudo, desde que haja mudanças.

por Edson Codenis e Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

Mario The Alencar – Great Diary Things (Album)

1467522752147


Seu histórico como Mario The Alencar (uma de muitas de suas personificações) mostra um trabalho calcado no folk com ”insights guitarrísticos”, tudo num clima lo-fi, termo que é bagunçado, eu admito, onde a gravação caseira faz questão de mostrar que é feita em casa. Seu novo trabalho vai além, muito além – amadurecido como produtor e compositor ele construiu para mim, sua melhor cria.

Influências de Eliott Smith, Pedro The Lion, Daniel Johnston – Mário tem seu jeito de cantar um pouco desafinado/desleixado com um quê de Stephen Malkmus e Sufjan Stevens que são perceptíveis nesse álbum; disse perceptíveis, não copiados. O cara é ”full noventista” nas suas referências na maioria de seus projetos, mas principalmente como Mario The Alencar, assim também como sua banda Killing Surfers. Desde que aprendeu a lidar com programações de bateria sua evolução é gritante, suas guitarras ora levemente distorcidas ora carregadas de chorus, flangers, delays que lembram outros trabalhos seus como o Sketchquiet.

Amigos, o cara criou seu estilo e isso é um diferencial. Com o auxilio de Reuel Albuquerque guitarrista da banda Jude, colocou de forma sensacional metais e sopros sampleados em algumas faixas, a diversidade do disco atingiu um patamar maior ainda, às vezes lembrando o trabalho solo de Neil Halstead, vocalista do Slowdive/Mojave 3 e o já citado Sufjan Stevens. O disco é produzido pelo próprio Alencar, ele gravou as guitarras, contrabaixo, vocais, baterias e as letras são de sua total autoria.

Destaque para as belíssimas faixas BlanketsPale CloudsSummer’s Day e Longing. Em Breakfast Junkie e Feeling So Blue ele brinca de Pavement com um tom debochado/brincalhão. A música Hard Country que leva a um country mais alternativo com guitarras dissonantes também merece esse destaque. 

Uma coisa que observo, esse rapaz também é artista visual e designer gráfico, e o som de seus discos se relacionam com as capas, ora com ilustrações próprias ou com fotos ou montagens. Se a capa é mais sombria seu som será mais ”dark” (haha), se o desenho é mais singelo seu som será mais enxuto e nesse álbum, ele fez uma capa mais colorida, com pequenos detalhes que merecem um olhar mais atento e coincidentemente esse é seu disco mais virtuoso e diversificado até agora. Vai agradar quem curte os referidos artistas – é um som indie (no clichê mesmo), mas é de primeira.

Embarquem nessa viagem deste artista que não tem medo ou vergonha de amadurecer.

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Fantasmas de Marte – Atmosfere (EP)

img_8376


Atmosfere, último lançamento do Fantasmas de Marte, reúne em seis ótimas canções tudo o que a cena atual padece: sinceridade e distorção.  A banda alagoana é formada por Fernando Pinheiro, responsável pelos vocais, guitarras e composição das letras; Normando Galdino, bateria e backing vocal  e Daniel Costa no contra-baixo. As músicas transcorrem de forma fluida, bem encadeadas, em camadas de guitarras, poesia e peso. A banda parece ter acertado na construção e no formato das músicas revezando momentos de explosão com curtos estágios de calmaria.

Uma miscelânea de influências parece delinear o som dos caras, desde punk ao indie rock, com guitarras melódicas e agressivas executadas na medida certa para cada música. Destaque para as texturas e riffs de guitarra e os vocais expressivos de Fernando Pinheiro. As letras são introspectivas e, até certo ponto, espirituais reforçando uma tendência da banda em explorar questões com foco em temas pessoais. Esta característica do EP, de fato, é um ingrediente interessante, pois fornece ao ouvinte a real sensação de estar numa atmosfera sonora densa e melódica.

A faixa título, Atmosfere, primeira do disco, costura uma cativante levada de guitarra e baixo de forma curiosa. Nesta os alagoanos não economizaram em criatividade com belas texturas de guitarra e divisões de bateria bem construídas. Em seguida vem a rápida Bolseiro com melodia grudenta e cheia de na-na-nas. Forte candidata a “hit do disco”. Luar é mais cadenciada e marca  o início de uma mudança na pegada do disco de forma necessária. A maldição, uma espécie de anti-clímax do novo registro, mostra a grande versalidade de composição da banda: solos de guitarra e mudanças bem sacadas de bateria, com ataques precisos. Cenáticos parece tomar bastante de uma possível fonte hardcore, rápida e precisa, mas sem ser clichê. Ondas Artificiais possui arranjo bem trabalhado e talvez seja a música de arranjo mais complexo aqui, com temas de guitarras cheias de delay e um ótimo trabalho com chimbal do baterista Normando Galdino. Digno de nota também é a levada de baixo de Daniel Costa, a qual sobressai de maneira pontual e sem a qual, a música não teria o mesmo charme.

A Fantasmas de Marte é indicada para aqueles que curtem som pesado, com riffs bem desenhados, mas que não dispensam boas linhas melódicas e letras marcantes. A banda mostra em Atmosfere grande competência técnica e artística e fornece um alento às nossas pobres almas, como eles mesmos dizem na faixa título, em “Um mundo repleto de dor”. Sou obrigado a concordar.

por Leonardo Oliveira


Ouçam agora na íntegra:

Killing Surfers – You Never Cared (EP)

8


Para noises, não há coisa mais bacana do que juntar amigos e fazer uma banda que brinque com os sons que mais gostamos – a diversão e alegria desses momentos não tem preço.

Nesse contexto, surge a banda que tem chamado atenção de quem curte um som indie, a Killing Surfers; isso mesmo, uma brincadeira que com certeza levará a um caminho sério (se não ja está…); e hoje, eles lançam o primeiro trabalho que dará a sua estréia, o EP You Never Cared.

Fundada em Maceió, Alagoas, pelo vocalista inquieto Mário Alencar (Sketchquiet; Mario The Alencar), mestre bigodon Wilson Victor, ambos responsáveis pelas paredes de guitarras distorcidas e sensacionais que permeiam o disco; e Gellyvan Fernandes (Nonsense Lyrics), querida e carismática figura alagoana, no seu contra-baixo pós-punk à la Kim Gordon.

Killing Surfers é rock, que mergulha rock na vertente shoegaze e dream pop, onde guitarras ora furiosas se misturam com passagens mais serenas. A voz amargurada de Mário sussurra alguma coisa em nossos ouvidos – nossa! Parece triste, mas não! A rapaziada não deixa a peteca cair nunca.

As influências… Os caras conhecem muitas coisas, e misturam sem piedade ou preconceito, mas o som sai naturalmente sem forçar a barra.

Vamos destacar todas as faixas desse disco, sim! porque não? I Wanna Sleep e Medications são dois embriões que parecem ter saído do trio mais barulhento de Nova Iorque desde o Sonic Youth, o A Place To Bury Strangers. Pillow Face tem uma intro suave que mergulha depois em seu ”white noise”, assim como She’s Like Heaven, bebem de grandes bandas shoegaze como My Bloody Valentine e The Jesus and Mary Chain – a delicada Sunrise, remete o clima etéreo do Cocteau TwinsSlowdive e Galaxie 500. E por fim o hit, Another Horizon, que lembra… Killing Surfers! É isso, a mistura que pode lembrar alguma banda mas tem sabor próprio.

A produção ficou encarregada pelo vocalista/guitarrista da banda, Mário Alencar, que com muito suor também fez a arte da capa de You Never Cared.

Acompanho esse caras no selo desde janeiro desse ano, e vejo como transbordam energias positivas quando falam de música ou quando fazem música; isso serve de lição de vida para mim, não perder o amor por isto mesmo que te traga apenas… Felicidade!

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Vera Fauna – A | B (EP)

14384053_10210995827393384_432717318_n


O selo Crooked Tree Records trabalha com musica independente feita aqui no Brasil – várias vertentes, música ambiente, eletrônica, experimental, folk, rock pesado, rock psicodélico e por aí vai, galerinha (haha).

A internet proporciona fatos inusitados como dividir seu gosto musical com pessoas muito distantes de nós. Ao enviar uma mensagem comentando sobre o bom EP da banda Primavera, lançado nesse ano, o espanhol Kike Suárez nos apresentou o som da sua Vera Fauna. Assim surgiu o primeiro lançamento internacional do nosso selo, o EP A | B.

A Vera Fauna é formada pelos espanhóis: Javier Blanco, Jaime de Sobrino, Juanlu Romero e o frontman Kike Suárez, fazendo um belo trabalho de guitarras e vozes psicodélicas.

São duas faixas: Quiebro y Nada, com seu clima ensolarado que remete a bandas recentes que com certeza devem curtir uma praia, como o Tame Impala, Mac DeMarco, Real Estate, Girls – e a faixa Poniente, cheia de phasers pra dar aquela brisa. A ilustra da capa que achamos que deve interpretar algo feminista (?) é de um tal de Jeice2 (é isso mesmo!)

A língua não será barreira para que você aprecie o bom som desse quarteto de Sevilha, o vocalista Kike, disse que há um movimento de bandas de rock psicodélicas que vem tendo um bom destaque, e essa parceria vai ajudar a divulgar a música deles por aqui e de nossos projetos pelo underground do velho continente.

por: Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Botas Batidas – Não Adentre A Meia Noite Apenas Com Ternura (Album)

10368459_775865272549833_8410451183288328659_n


Muitas vezes precisamos falar pouco para dizermos muito, e assim, adentremos a meia-noite mas não apenas com ternura. Adentremos em pontos reflexivos – plausível com a textura vinda de Botas Batidas, na solidão de uma rua escura, um verdadeiro pós-álcool com vida em um pouco de morte.

Quem é esse tal Botas?! Mateus de França é o responsável por esse pseudônimo, e o cearense entra hoje para o coletivo da Crooked, com o seu terceiro e mais novo álbum, que particularmente seria o melhor dos outros que Mateus já gravou; segundo nós.

Dando portas infinitas para este bossa-nova experimental (como?!) sim, quando o ouvimos, lembramos das belas cordas daquela época, mistura aí as melodias de Cartola com a loucura do harsh noise do Merzbow (que doidera da po$#@%& é essa!?!?!) sim, ouça! e entenderás se estás neste caminho. Antes de tudo, prestem atenção na faixa Agenor de Oliveira, e perceberás com clareza que o garoto tem um pouco da referência de um dos compositores que mais lutou pela sua carreira; quase uma apologia.

Algumas músicas te dão ideologias, arrepios,  euforias… e algumas te dão, você – como se pudesse ver um espelho em cada toque e em cada som, violões psicodélicos e mensagens sendo enviadas através de ondas sonoras a alegrias de quem já viveu e continua vivo.

Em todas as faixas pode se ouvir o silêncio de um grito que suplica ao dizer: Não adentre a meia noite apenas com ternura.

por Gellyvan Fernandes


Ouçam agora na íntegra:

Humbra – Tempos Mal Vividos (EP)

IMG_0324


Tempos Mal Vividos – EP desse ano da Humbra, que acaba de ser lançado aqui pela Crooked, é definitivamente o que há de melhor para os ouvidos de quem é fã de grunge cantado em português. A banda carioca é formada por Leonardo Oliveira nos vocais, dividindo as guitarras com Val Waxman, Fabiano Cunha faz o suporte com contra-baixo e backing vocal, enquanto Bruno Monteiro completa o time com uma bateria na medida certa de raiva e energia projetada por cada canção.

Destaques para a faixa-título do EP, que chama atenção pela melodia vocal idealmente escorregante acompanhada por uma guitarra cheia de tonelagem de distorção. Diante do Espelho também sobressai como uma notável canção necessária a todos, dessa vez parecendo ser feita pra se tornar popular. Atenção para o refrão de arrancar qualquer um da cadeira (“eu e você… eu e vocêêeee…”), precedido de ruídos justapostos com a intenção de tornar o grunge confortável na sala de estar do pop – e vice versa, exatamente como as grandes bandas de grunge faziam na era do descobrimento do rock sujo de guitarra pelo mundo.

Silverina parece um punk rock quase ”raimundeano”, mas ao invés das ”nordestinidades” dos músicos de brasília, os cariocas fazem música rápida eminentemente suja. Nada a Justificar e O Circo, as canções que abrem e fecham o EP, parece ter sido escolhidas para ocupar realmente tais posições. Imagine um show dos caras com Nada a Justificar, com uma guitarra que dá o tom pra uma bateria pulsante. O Circo fecha as cortinas do disquinho no mesmo ritmo e intenção das demais músicas. Definitivamente, qualquer uma das faixas seriam suficientes para representar a qualidade da banda como um todo.

A Humbra é daquelas bandas que te fazem pensar sobre o mercado fonográfico e a superficialidade do mainstream quando uma banda surge no underground tendo muito o que dizer e a mostrar. A morte do grunge só o foi para o mainstream, e isso não faz nenhuma falta pra quem sabe encontrar jóias persistentes de guitarras e vozes rascantes – exatamente como a banda faz. Acrescidos de uma guitarra psicodélica e letras sobre o cotidiano das relações, seria uma porta ideal para o jovem que quer saber o que é esse tal de rock and roll que a galera tanto curte – tanto quanto era o Pearl Jam, o Nirvana, o Screaming Trees ou qualquer outra referência de Seattle no início do ano para a geração roqueira dos anos 90.

Ao cantar em português, o quarteto comprova a adequação do gênero à nossa língua, ajudada por composições que poderiam até mesmo ser uma tradução direta de uma boa canção noventista. A proposta lo-fi, seja pelo acesso ao tipo de equipamento disponível ou por pura estética, revela como a banda acertou em cheio nos arranjos e na produção. Algo mais limpinho ou mais lo-fi que isso não seria legal quanto é.

Como é satisfatório ver como o grunge ainda pulsa na nossa juventude!

 

por Nô Gomes


Ouçam agora na íntegra: