Teófilo – Mais Perto de Mim (EP)

16830616_1172781492830748_8304037607330499909_n
foto por Cláudio Teófilo

Quem carrega arte no coração tem o luxo de extravasar suas angustias, seus temores de uma forma lírica que ajuda a deixar a alma leve, por vezes atingindo pessoas que nunca conheceu. Cláudio Teófilo, um talentosíssimo guitarrista de Alagoas, tem um jeito peculiar de tocar e carrega a arte na alma.

Usando uma técnica de tapping própria, ou math pop, emo, como acharem melhor: pensem em pitadas de Stanley Jordan, Michael Hedges com um banho de Vini Reily (o Durutti Column em pessoa) em uma roupagem lo-fi e teremos temos uma idéia do som que ele faz.

O EP Mais Perto de Mim é onde o artista se apresenta sozinho com sua guitarra, é intimista, confessional e belo, com um clima que remete aos primeiros trabalhos do já citado, Durutti Column.

Teófilo declama as letras com sua voz banhada em ecos, nos transportando para seu diário sonoro, onde encontramos desenhos e histórias, em forma de canção. São 6 músicas boas para audição, em um lugar calmo e contemplativo… Para pensar na vida.

A primeira faixa, Escolha se Escolher, mostra belo trabalho com harmônicos e a letra nos convoca a fazer as escolhas certas para a vida. Em O estouro do balão no final da festa que deu errado, é serena e triste, ele abre seu coração sobre guitarras delicadas e tocadas em reverso. Em Forrest Gump temos samples do filme e uma letra que nos impele a continuar a correr atrás dos sonhos, não importa o que aconteça. A faixa seguinte, Fogos de Artifício, na verdade uma pequena peça instrumental, nos vemos no meio de uma festa de São João vendo os fogos. Na quinta faixa 4011 – Salvador Lyra (Via Recantos), é toda no instrumental, estamos olhando pela janela de um ônibus vendo a paisagem e fechando os olhos para escutar nosso coração que pode estar fragilizado, mas ainda bate. Na última faixa Você é uma Estrela (Te vejo no presente mesmo morrendo no passado)  pegamos carona numa nave espacial que decola suavemente rumo as estrelas em um som banhado de phasers, vibratos e delays.

Um disco que me emocionou profundamente. O EP tem a produção de Mário Alencar em seu pequeno estúdio que fica em seu próprio quarto, o Estúdio Lofizêra. A linda capa ilustrada é por Gellyvan Fernandes. Tudo entre grandes amigos!

Espero que esse artista, que esbanja talento e que passou por momentos difíceis, consiga mostrar agora seu imenso talento ao mundo. Boa sorte amigo!

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Anúncios