Mario The Alencar – Great Diary Things (Album)

1467522752147
foto por Gellyvan Fernandes

Seu histórico como Mario The Alencar (uma de muitas de suas personificações) mostra um trabalho calcado no folk com ”insights guitarrísticos”, tudo num clima lo-fi, termo que é bagunçado, eu admito, onde a gravação caseira faz questão de mostrar que é feita em casa. Seu novo trabalho vai além, muito além – amadurecido como produtor e compositor ele construiu para mim, sua melhor cria.

Influências de Eliott Smith, Pedro The Lion, Daniel Johnston – Mário tem seu jeito de cantar um pouco desafinado/desleixado com um quê de Stephen Malkmus e Sufjan Stevens que são perceptíveis nesse álbum; disse perceptíveis, não copiados. O cara é ”full noventista” nas suas referências na maioria de seus projetos, mas principalmente como Mario The Alencar, assim também como sua banda Killing Surfers. Desde que aprendeu a lidar com programações de bateria sua evolução é gritante, suas guitarras ora levemente distorcidas ora carregadas de chorus, flangers, delays que lembram outros trabalhos seus como o Sketchquiet.

Amigos, o cara criou seu estilo e isso é um diferencial. Com o auxilio de Reuel Albuquerque guitarrista da banda Jude, colocou de forma sensacional metais e sopros sampleados em algumas faixas, a diversidade do disco atingiu um patamar maior ainda, às vezes lembrando o trabalho solo de Neil Halstead, vocalista do Slowdive/Mojave 3 e o já citado Sufjan Stevens. O disco é produzido pelo próprio Alencar, ele gravou as guitarras, contrabaixo, vocais, baterias e as letras são de sua total autoria.

Destaque para as belíssimas faixas BlanketsPale CloudsSummer’s Day e Longing. Em Breakfast Junkie e Feeling So Blue ele brinca de Pavement com um tom debochado/brincalhão. A música Hard Country que leva a um country mais alternativo com guitarras dissonantes também merece esse destaque. 

Uma coisa que observo, esse rapaz também é artista visual e designer gráfico, e o som de seus discos se relacionam com as capas, ora com ilustrações próprias ou com fotos ou montagens. Se a capa é mais sombria seu som será mais ”dark” (haha), se o desenho é mais singelo seu som será mais enxuto e nesse álbum, ele fez uma capa mais colorida, com pequenos detalhes que merecem um olhar mais atento e coincidentemente esse é seu disco mais virtuoso e diversificado até agora. Vai agradar quem curte os referidos artistas – é um som indie (no clichê mesmo), mas é de primeira.

Embarquem nessa viagem deste artista que não tem medo ou vergonha de amadurecer.

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Anúncios

Mario The Alencar – Addicted Lovers (Album)

11011676_1036996649674216_437604105475725178_o
foto por Mario The Alencar

O forno não pára! E com uma cereja no bolo sai o nosso Addicted Lovers. É, pessoal – para complementar e não parar a cozinha da Crooked, vem o 7º – Como diria Júpiter Maçã: O 7 é um número místico. Depois do excelente resultado do trabalho de Eric Iozzi, a borboleta ou o bicho que saiu do Casca, seu álbum recentemente lançado – trouxemos agora mais um homem-orquestra, sim, mais um.

Falamos de Mário Alencar, que desde 2009 está na ativa como Mario the Alencar; e hoje, ele lança o seu 12º registro deste primeiro projeto de quarto, um álbum aéreo e firme.

Usando quase o seu próprio nome de nascimento (haha), ele nos leva de onde nunca deveríamos ter saído – a simplicidade e viajem de Addicted Lovers é de arrepiar e doer a alma. Esta joia cuspida de uma ostra te levará a caras muito fodas – Nick Drake, Jeff Buckley, Elliott Smith e até mesmo, as guitarras distorcidas com riffs tortos e dissonantes de bandas como My Bloody Valentine e Sonic Youth.

Eu poderia ficar horas e horas expressando meus sentimentos pelo novo álbum de Mário – eu quero que você ouça, eu quero que sinta o que eu senti ou melhor, sinta o que conseguir.

Alencar como sempre gravou e produziu – aqui ele canta, diferente do seu mais novo projeto paralelo, Sketchquiet. Ele executa uma variedade de instrumentos – guitarras, violão de aço, contra-baixo, programações e  gaita. O lindo desenho da capa é feita pelo próprio, que também é ilustrador e designer.

Mário Alencar é um membro importante no cenário underground alagoano – e só ver isso quem quer!

por Gellyvan Fernandes


Ouçam agora na íntegra: