Nonsense Lyrics – No Place To Hide Yourself (Album)

14141870_1169690783087893_1501354821842499086_n


Esse menino chamado Gellyvan Fernandes vivia se escondendo na casa de Mário Alencar, sim, ele mesmo, o boss da Crooked (“Eu não sou boss de porra nenhuma”, Mário vai gritar). Enfiado no estúdio Lofizêra do chefinho, escapando para uma tocadinha no jardim do teatro Deodoro aqui na nossa capital, durante o “microfone livre” do movimento Antropofágico Miscigenado, geralmente por insistência nossa, o tímido Gelly foi montando esse criativo, acelerado, despojado e torrencial No Place to hide Yourself, o novo álbum do projeto Nonsense Lyrics, saindo do forno de Alagoas para o Mundo.

Letras sinceras comprometidas com o próprio coração vagabundo e com as amizades, e olhe lá que esse mago também não deixa passar em branco as mazelas deste país mutilado e desfalcado, cantando a beleza da floresta para dizer que “O desmatamento mata cada sentimento…” (em Pessoas são como Árvores).

Totalmente envolvido com as viagens musicais da Crooked a produzir eventos que agitam Maceió com uma série de live sessions nos pubs e teatros da cidade, Gellyvan Fernandes faz deste No Place To Hide Yourself – gravado entre 2016 e 2017, com produção de Mário Alencar e uma pequena ajuda do amigo carioca Carlos Otávio Vianna, do Depressa Moço!, que tocou bateria em Long Trip – uma bandeira de musicalidade pulsante e espontânea, fincada num solo fértil que já havia dado seus primeiros frutos com o EP (oito faixas) do ano passado, Golden Country Punk.

No novo álbum, Gelly toca as guitarras, violão e contrabaixo e, claro, todas as canções foram compostas por ele. Delirantes canções no melhor estilo Syd Barrett. Mário Alencar toca gaita, faz backing, guitarra e canta junto com Gelly em Não Sou o Mesmo e contrabaixo em Consolation, ficando responsável, também, pelas programações que dão textura e harmonização à viagem sonora do bardo moleque da Crooked (e quem não é moleque neste selo? Ah, eu mesmo e o Carlos Otávio Vianna, hehehehe). Essa turma jovem ideosa da Crooked que anda quebrando os paradigmas do rock brasileiro com propostas bem adiante desse contexto almofadinha mainstream de bandas posers e fakes proliferando de Norte a Sul do país com seus álbuns ajustados (quadrados) em fórmulas tão desgastadas quanto enjoadas, estampadas nos inúmeros álbuns de crias de Los Hermanos (bleh!) e congêneres. O desenho da capa é do nosso próprio trovador, para quem o conhece irá identificar de imediato este traço frenético que cativa.

Nonsense Lyrics bota mais lenha nessa fogueira criativa, com a beleza de sentimentos reais emergentes que fazem da Crooked Tree Records o selo do momento. E Gellyvan Fernandes o arauto do novo rock tupiniquim.

por Sebage Jorge


Ouçam agora na íntegra:

Anúncios

Pacamã – Antes Aqui Era Tudo Mato (Album)

estudo7


Num mundo onde as pessoas gostam de referendar tudo, é bom descobrir uma novidade que lembra alguma coisa mas que você não consegue definir. Sim, é muito bom descobrir algo original que tem seu jeito de ser – A banda alagoana Pacamã consegue esse feito, a começar pelo título de seu primeiro disco, Antes Aqui Era Tudo Mato.

Não é um disco bicho grilo mas possui um clima sereno, que lembra alguém que contempla uma bela paisagem longe das cidades. Com belas passagens acústicas, alguns efeitos sonoros que percorrem nossos ouvidos de um lado para o outro, guitarras esparsas e precisas que aparecem no momento certo, assim como os arranjos de cordas.

A faixa de abertura Engenho surge com um violão, sob um dueto de voz masculina e feminina que desaba em cordas e as já citadas intervenções de guitarras, a letra tem um jeito MPB”, uma forma mais lírica de falar de amores, natureza e sentimentos. Catedral, é aqui, o destaque do disco, é moderna como bandas gringas da atualidade, War On Drugs, Fossil Collective, Fleet Foxes e tanto faz, seu refrão é acentuado e gruda na cabeça. A percussiva Furdunço, tem guitarras dissonantes e distorcidas, com órgão ao fundo que remete a alguma produção da época do manguebeat, mas não necessariamente… Eddie?! Pontes e Arrois é um interlúdio soando como se estivéssemos passando por um campo lentamente a cavalo. A faixa que leva ao título do álbum lembra a onda pós rock, com seu contrabaixo forte e guitarras viajantes. Itapuã (Mudo) parece um alguém descontraído e feliz brincando com o seu ukulele na beira do rio. Fugitivo nos fazem pensar em uma noite estrelada onde dedilhamos nossa viola. E para finalizar, a derradeira Iara/Rito prova que uma música com arranjo de cordas pode ser pesada e delicada ao mesmo tempo – a letra fala sobre Iara, a mãe d’água.

O clima geral do disco me lembra o trabalho de Lula Cortes e Zé Ramalho, Paêbirú, com apresentação de um mundo fora de nossa realidade das cidades, algo que transcende o materialismo. O álbum mostra um som com pitadas de muitas coisas diferentes, mas que soa próprio nas mãos da banda, que é formada por Mateus Borges nos vocais, Igor Cavalcante na guitarra e violão, Mateus Magalhães com a percussão e vocal, Thiago Mata na bateria, violão, guitarra, contrabaixo, ukulele e vocal e Thomas Schaeffer também com um contrabaixo e guitarra, além da banda, houve participações de Ivana Fontes nos backing vocals, Tércio Smith nos violinos e violoncelos e Ceceu, teclados na faixa Engenho – a arte minimalista e que ao mesmo tempo nos remete a desenhos primitivos é de Thiago Mata.

Uma música moderna, delicada e vibrante nos momentos certos – Pacamã é um peixe da bacia do São Francisco mas que se adapta a vida em aquários e é exportado para todo mundo. Que a música do Pacamã alcance todos os aquários com fone de ouvido e alto-falantes do mundo, com as bençãos de Iara.

por Carlos Otávio Vianna e Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

 

Bad Rec Project – Every Union Should Be A Lovely Union (Album)

 

19490215_10156934484068084_1949975369_o


Vamos dar boas vindas ao artista Jorg/Caíque ou como vocês preferirem chamá-lo carinhosamente, lançando o seu mais novo disco com título envolventemente delicioso (haha), Every Union Should Be A Lovely Union.

Bad Rec Project não é um de seus primeiros projetos, conheço Caíque desde a época das bandas Nicotine, Dad Fucked And Mad Skunks, Jorg and The Cowboy Killers e sim, o rapaz não se cansa nunca! Ultimamente, Caíque toca guitarra na Ximbra e também é frontman da Baztian, duas bandas que são importantíssimas para o selo Crooked e cá está ele agora como o Bad Rec Project.

O álbum contém 9 faixas mas apenas com 20 minutos de duração mas olha, eu repeti o disco mais de trilhões de vezes, singelo e adorável (como adoro esse duo de palavras, hehe) – guitarras distorcidas como serra elétricas low-fis (???), vocais rasgados ou em corais, efeitos de reverse em algum instrumento, rola até espremedor de laranja, lixa de parede, desodorante, um cão fofo latindo e aquele som que parece um besouro voando, o xilofone, muito lo-fi, não?!

Percebe-se bem o que o Caíque curte ouvir durante o seu dia-a-dia para compor a Bad Rec Project, acho que vai de Guided By Voices à Pedro The Lion e com certeza muito mais. O ”projeto mal gravado” de Caíque nasceu em 2009 com o EP Leftovers e assim depois lançando dois álbuns, e Every Union Should Be A Lovely Union é o terceiro que a Crooked agarra. O belo desenho frenético da capa de Every Union foi feito pelo próprio, que me fez recordar os desenhos do gênio doentinho Daniel Johnston, em que a música também não se escapa dessa (hehe).

Bad Rec é música para jovens adultos que querem apenas se divertir com os amigos e realizar sonhos juntos mas espera aí, também podemos contemplar o fim de algum relacionamento ou passar a tarde olhando um álbum de família e observar/pensar o quanto você envelheceu mas não perdeu a alma de garotão.

O lo-fi é um termo bastante amado aqui na Crooked Tree, iremos lutar contra o preconceito que ronda isso até agora (hahaha) – a ”música de quarto” reina em nossos berços e não iremos te rejeitar, sem nojinho. Um beijo no pescoço e boa audição.

por Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra: