Nonsense Lyrics – No Place To Hide Yourself (Album)

14141870_1169690783087893_1501354821842499086_n


Esse menino chamado Gellyvan Fernandes vivia se escondendo na casa de Mário Alencar, sim, ele mesmo, o boss da Crooked (“Eu não sou boss de porra nenhuma”, Mário vai gritar). Enfiado no estúdio Lofizêra do chefinho, escapando para uma tocadinha no jardim do teatro Deodoro aqui na nossa capital, durante o “microfone livre” do movimento Antropofágico Miscigenado, geralmente por insistência nossa, o tímido Gelly foi montando esse criativo, acelerado, despojado e torrencial No Place to hide Yourself, o novo álbum do projeto Nonsense Lyrics, saindo do forno de Alagoas para o Mundo.

Letras sinceras comprometidas com o próprio coração vagabundo e com as amizades, e olhe lá que esse mago também não deixa passar em branco as mazelas deste país mutilado e desfalcado, cantando a beleza da floresta para dizer que “O desmatamento mata cada sentimento…” (em Pessoas são como Árvores).

Totalmente envolvido com as viagens musicais da Crooked a produzir eventos que agitam Maceió com uma série de live sessions nos pubs e teatros da cidade, Gellyvan Fernandes faz deste No Place To Hide Yourself – gravado entre 2016 e 2017, com produção de Mário Alencar e uma pequena ajuda do amigo carioca Carlos Otávio Vianna, do Depressa Moço!, que tocou bateria em Long Trip – uma bandeira de musicalidade pulsante e espontânea, fincada num solo fértil que já havia dado seus primeiros frutos com o EP (oito faixas) do ano passado, Golden Country Punk.

No novo álbum, Gelly toca as guitarras, violão e contrabaixo e, claro, todas as canções foram compostas por ele. Delirantes canções no melhor estilo Syd Barrett. Mário Alencar toca gaita, faz backing, guitarra e canta junto com Gelly em Não Sou o Mesmo e contrabaixo em Consolation, ficando responsável, também, pelas programações que dão textura e harmonização à viagem sonora do bardo moleque da Crooked (e quem não é moleque neste selo? Ah, eu mesmo e o Carlos Otávio Vianna, hehehehe). Essa turma jovem ideosa da Crooked que anda quebrando os paradigmas do rock brasileiro com propostas bem adiante desse contexto almofadinha mainstream de bandas posers e fakes proliferando de Norte a Sul do país com seus álbuns ajustados (quadrados) em fórmulas tão desgastadas quanto enjoadas, estampadas nos inúmeros álbuns de crias de Los Hermanos (bleh!) e congêneres. O desenho da capa é do nosso próprio trovador, para quem o conhece irá identificar de imediato este traço frenético que cativa.

Nonsense Lyrics bota mais lenha nessa fogueira criativa, com a beleza de sentimentos reais emergentes que fazem da Crooked Tree Records o selo do momento. E Gellyvan Fernandes o arauto do novo rock tupiniquim.

por Sebage Jorge


Ouçam agora na íntegra:

Anúncios

Mario The Alencar – Great Diary Things (Album)

1467522752147


Seu histórico como Mario The Alencar (uma de muitas de suas personificações) mostra um trabalho calcado no folk com ”insights guitarrísticos”, tudo num clima lo-fi, termo que é bagunçado, eu admito, onde a gravação caseira faz questão de mostrar que é feita em casa. Seu novo trabalho vai além, muito além – amadurecido como produtor e compositor ele construiu para mim, sua melhor cria.

Influências de Eliott Smith, Pedro The Lion, Daniel Johnston – Mário tem seu jeito de cantar um pouco desafinado/desleixado com um quê de Stephen Malkmus e Sufjan Stevens que são perceptíveis nesse álbum; disse perceptíveis, não copiados. O cara é ”full noventista” nas suas referências na maioria de seus projetos, mas principalmente como Mario The Alencar, assim também como sua banda Killing Surfers. Desde que aprendeu a lidar com programações de bateria sua evolução é gritante, suas guitarras ora levemente distorcidas ora carregadas de chorus, flangers, delays que lembram outros trabalhos seus como o Sketchquiet.

Amigos, o cara criou seu estilo e isso é um diferencial. Com o auxilio de Reuel Albuquerque guitarrista da banda Jude, colocou de forma sensacional metais e sopros sampleados em algumas faixas, a diversidade do disco atingiu um patamar maior ainda, às vezes lembrando o trabalho solo de Neil Halstead, vocalista do Slowdive/Mojave 3 e o já citado Sufjan Stevens. O disco é produzido pelo próprio Alencar, ele gravou as guitarras, contrabaixo, vocais, baterias e as letras são de sua total autoria.

Destaque para as belíssimas faixas BlanketsPale CloudsSummer’s Day e Longing. Em Breakfast Junkie e Feeling So Blue ele brinca de Pavement com um tom debochado/brincalhão. A música Hard Country que leva a um country mais alternativo com guitarras dissonantes também merece esse destaque. 

Uma coisa que observo, esse rapaz também é artista visual e designer gráfico, e o som de seus discos se relacionam com as capas, ora com ilustrações próprias ou com fotos ou montagens. Se a capa é mais sombria seu som será mais ”dark” (haha), se o desenho é mais singelo seu som será mais enxuto e nesse álbum, ele fez uma capa mais colorida, com pequenos detalhes que merecem um olhar mais atento e coincidentemente esse é seu disco mais virtuoso e diversificado até agora. Vai agradar quem curte os referidos artistas – é um som indie (no clichê mesmo), mas é de primeira.

Embarquem nessa viagem deste artista que não tem medo ou vergonha de amadurecer.

por Carlos Otávio Vianna


Ouçam agora na íntegra:

Sebage – Beatnik (Album)

15036185_10202471842914724_4070650143372324193_n


2016 foi um ano de conhecimento para a Crooked, tivemos bons e péssimos resultados, mas sem baixar a cabeça! Com muito amor e dedicação com o que fazemos por aqui, continuamos sem olhar para trás. A terra virou mais uma página, e em 2017 conquistaremos o nosso lugar pois, lutaremos até o fim para conseguir o que realmente queremos.

Sem mais delongas, apresentamos a vocês o nosso primeiro lançamento do ano! Um grande artista da terra das Alagoas, aqui, há anos de estrada – um veterano. Sebage é daqueles compositores que entendem a sua própria linguagem, proporcionando à qualquer ouvinte um sentimento de bohemia, nostalgia ou a saudade de um amor intenso. ”Since” 1984 nas estradas, ele começou com a banda Caçoa Mas Num Manga, onde havia artistas importantes da cena alagoana: Júnior Almeida,  Félix Baigon, Zé Barros e Gal Monteiro, como Sebage me passou, eles misturavam um lance new wave com caeté. Depois, vieram os seus projetos de pós-punk, a Sangue de Cristo, formada em Maceió e a Jesuítas, formada em São Paulo, quando o cara resolveu se mandar para lá! E por fim, já nos anos 2000, montou a Trindade antes de fazer a carreira solo.

O disco Beatnik é praticamente uma compilação de quase todas as faixas que Sebage gravou durante toda a sua vida, desde 2001 quando morava em São Paulo até então aqui, que agora vive em Maceió – um álbum completo, sem deixar a desejar para quem curte rock, mas é rock mesmo do que eu estou falando, sem nada piegas!

São no total 12 faixas, algumas em português e outras em inglês misturando o que há de mais vivo na safra do glam rock ou até mesmo o pós-punk e a era do proto, como MC5, Lou Reed, Iggy Pop, The Smiths, David Bowie e assim por diante que complemente esta linha destruidora.

Sebage é um dos ícones importantes da cena underground alagoana, muitos o conhecem por ter representado essa sonoridade para os nordestinos, fez versões de músicas dos Smiths como a Bigmouth Strikes Again (só procurar no Youtube) e teve uma banda cover de David Bowie enquanto estava em São Paulo, e aí já podemos entender quais são suas maiores influências já citadas aqui. Há diversas participações no disco, o cara convidou milhares de músicos para tocar suas músicas, que levaria um texto maior ainda para escrever quem seriam eles – você terá que ler as informações no Bandcamp se estiver curioso (hehe).

Escutem Beatnik no carro, na piscina, na faxina da casa porque o trabalho é para se ouvir em qualquer ambiente, em qualquer estado. A arte da capa foi feita pelo designer/ilustrador, Mário Alencar (Killing Surfers, Sketchquiet, Mario The Alencar) – vai  num bar mais próximo de sua casa e pede pro garçom por essa jóia pra rolar, só toma cuidado pra não beber demais.

por Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra:

Jude – Ainda Que de Ouro e Metais (Album)

foto1


Você sabe que existe um clássico lançado por uma banda de rock quando bate o ouvido e você vê que houve um sentimento sincero e um trabalho apaixonado por trás de cada onda sonora das faixas que nosso ouvido é capaz de absorver; é quando você percebe que não se trata de apenas música, como se algo estivesse para acontecer em uníssono no momento em que as pessoas derem uma chance.

Este é o caso da Jude, que chega com seu álbum de estreia com uma qualidade absurda nos arranjos e uma proposta sonora outrora saudosa que é atualizada com uma nova geração de músicos experientes, o que faz a gente sentir saudade de um tempo em que nem éramos nascido. Com uma forte presença de influências de Beatles, Mutantes, Secos e Molhados, Ave Sangria, Som Nosso de Cada Dia, Clube da Esquina, Sá, Rodrix & Guarabyra, a banda, formada por Reuel Albuquerque (Morfina), Fernando Brasileiro e Alexander Campos (Ex-Necro), é recheada de tons psicodélicos e cordas notoriamente bem timbradas que se casam perfeitamente com uma melodia vocal doce – constituindo refrões memoráveis, temos aqui uma coleção de potenciais hits reunidos em uma verdadeira obra-prima do revival em plena Alagoas, um  puro diamante dilapidado e pronto para apreciação. A propósito, a terrinha tem um flerte bem sucedido com grupos musicais que se deleitam no legado de ouro do rock.

Não se sabe se a mística da coisa está na água nordestina (vide a façanha psicodélica dos pernambucanos da Ave Sangria, com seu disco lançado em 1974) ou se o fenômeno sonoro bateu forte aqui pra uma porção de jovens que nasceu bem depois da época em que tais sonoridades eclodiram; o curioso é que o revival na terra dos marechais passou a ter notoriedade nacional com a evidência alcançada pela Mopho, por seu primeiro disco nos anos 2000, onde se vê uma mistura do pop ”beatlemaníaco” com elementos de rock progressivo, com direito a elogios do ex-mutante Arnaldo Baptista, o quilate de ser considerado um dos melhores discos da década e o alcance nas paradas de rádio norte-americana. Tempos depois, em 2009, surge a Necro, capitaneada por uma nova geração de jovens que, conduzindo competentemente o bastão, atualizam o resgate de gêneros sonoros setentistas para uma nova leva de público ao passo que reconquista a memória dos mais ”old-school” com seu som mais sombrio e ”sabático”, fazendo turnê e encantando a cada apresentação ao vivo – entre as bandas nacionais. Mas se o descobrimento dessa fonte de artistas apaixonados vem com tais bandas que automaticamente se tornam referências para todo alagoano roqueiro de gosto refinado, a consolidação de Alagoas como berço da boa música da escola velha vem mesmo com as novidades que passam a existir, e nesse caso a Jude é a bola da vez.

A banda, que lançou timidamente seus dois singles Ainda que de Ouro e Metais e Vá Ser Feliz Como o Arnaldo Baptista no finalzinho do primeiro semestre andou trabalhando nos últimos meses no disco completo, que acaba de ser lançado de forma independente e com o apoio da gente aqui da Crooked. Cada música do disco homônimo possui canções diferentes que, entretanto, não saem da pretensão de manter raízes calcadas nas suas referências, sempre apontando para os idos da década de 60 e 70.

Produzido pela própria banda e turbinado com participações especiais de representantes dessa leva de artistas como João Paulo da Mopho, e Pedro Ivo da Necro, é de longe um dos discos – senão o disco do ano mesmo neste finalzinho de 2016! Seguindo com a bela arte de colagem para capa feita pelo nosso artista, Elizeu Salazar (a.k.a Lzu).

Recomendamos a audição repetida e sem limites da obra na íntegra! Todo sucesso e devido reconhecimento à Jude!

por Nô Gomes.


Ouçam agora na íntegra:

Nonsense Lyrics – Golden Country Punk (EP)

1458302100742.jpg


Ele é canhoto, hiperativo, simples, amável, sensível, teimoso e tem um black power bem tratado – enfím, um fofo. Estamos falando do nosso lançamento da semana, o membro mais querido da Crooked, Gellyvan Fernandes – lançando seu pseudônimo, Nonsense Lyrics e seu primeiro trabalho, Golden Country Punk.

Você nunca ouviu falar desse homenzinho por aí (entendam a piada como for, hehe), vai vê porque Gelly nunca fez questão de se exibir para a sociedade, sempre alí – na dele. Ele odeia internet, odeia gente moderna; prefere ouvir bossa nova com amigos íntimos enquanto degusta uma vodka de 2ª.

O disco é um pequeno e virtuoso EP – as violas, contra-baixo, escaleta e guitarras foram executados pelo próprio, da sua maneira drunk – e as letras, sinceras e diretas. Seus vocais são desleixados e nada melódicos, e as canções lembrando horas o folk do Neutral Milk Hotel ou Bob Dylan – tirando a faixa Miopia Astigmatismo (como?!), com aquele groovezinho no baixo e uma guitarrinha esperta levando aquele funk do big Tim Maia.

Mário Alencar (Mario The Alencar; Sketchquiet) colaborou no registro, assumindo guitarra e gaita nas faixas My Own Funeral  e Lost Roads; Mário também produziu o EP.

A fotografia irada da capa é de Felipe Lemos, também chegado da galera e quase um mascote (hehe).

Nota final: Se você pensa que vai ouvir por aqui mais um daqueles ”playbas” do folk de MCZ querendo status para conquistar a mulherada, vai caindo fora! póis Nonsense Lyrics e seu Golden Country Punk é para os que apreciam a boa alma singela.

por: Mário Alencar


Ouçam agora na íntegra: